Política Externa Independente: origem, desenvolvimento e colapso sob a perspectiva teórica- histórica da relação entre a política externa e a opinião pública DOI10.5216/o.v14iespecial.30530

Autores

  • Tânia Maria P. G. Manzur Universidade de Brasília, Brasília, DF

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v14iEspecial.30530

Palavras-chave:

Brasil, Política externa

Resumo

Este artigo tem como objetivo abordar, em perspectiva histórica e teórica, a Política Externa Independente (PEI), que teve lugar no Brasil entre os anos de 1961 e 1964 e a significativa interação que se deu, na vigência da PEI, entre a opinião pública nacional e os direcionamentos da política externa. Naqueles anos, evidenciou-se uma estratégia de inserção internacional que procurou a independência e no Brasil em relação aos blocos antagônicos da Guerra Fria, tentando ampliar o leque de oportunidades para o comércio internacional e as relações políticas; o País quis se projetar como um interlocutor privilegiado entre o Norte e defendeu a existência de um sistema internacional mais justo. Naquele momento, a opinião pública movimentou-se dramaticamente em face dos temas da inserção internacional do Brasil. A relação entre a opinião pública e política externa na vigência da PEI tomou força como um dos elementos essenciais para a mudança estrutural do regime político ocorrida no Brasil em 1964.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tânia Maria P. G. Manzur, Universidade de Brasília, Brasília, DF

Professora Adjunta do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília Doutora em História das Relações Internacionais

Publicado

16-03-2015

Como Citar

Manzur, T. M. P. G. (2015). Política Externa Independente: origem, desenvolvimento e colapso sob a perspectiva teórica- histórica da relação entre a política externa e a opinião pública DOI10.5216/o.v14iespecial.30530. OPSIS, 14(Especial), 339–368. https://doi.org/10.5216/o.v14iEspecial.30530

Edição

Seção

Dossiê América Latina no contexto da Guerra Fria