O discurso médico e a construção da ideia de sexo frágil DOI 10.5216/o.v12i1.15083

Autores

  • Elisa Maria Verona SOFES, Sociedade Frutalense de Ensino Superior

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v12i1.15083

Palavras-chave:

Discurso médico, padrões de feminilidade, século XIX, histerismo

Resumo

Esse estudo propõe a análise de discursos médicos produzidos durante o século XIX, sobretudo os referentes à mulher, com enfoque para a construção da idéia de sensibilidade feminina. Abordaremos os argumentos médicos que justificavam a inferioridade intelectual da mulher e sua maior suscetibilidade nervosa. A relevância desses discursos para o período em questão decorre de uma investida da medicina pela legitimação de seu saber.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisa Maria Verona, SOFES, Sociedade Frutalense de Ensino Superior

Doutoranda em História e Cultura Social pela Universidade Estadual Paulista e docente dos cursos de Serviço Social e Pedagogia da Sociedade Frutalense de Ensino Superior (SOFES).

Downloads

Publicado

2012-12-02

Como Citar

VERONA, E. M. O discurso médico e a construção da ideia de sexo frágil DOI 10.5216/o.v12i1.15083. OPSIS, Goiânia, v. 12, n. 1, p. 311–327, 2012. DOI: 10.5216/o.v12i1.15083. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/Opsis/article/view/15083. Acesso em: 29 maio. 2022.