Cooperação e poder: a Organização de Cooperação de Shangai como expressão da política externa chinesa para a Ásia Central DOI 10.5216/o.v11i2.14901

Autores

  • Andréa Freire Lucena Universidade Federal de Goiás
  • Helder Paulo Machado Silva Secretaria de Comércio Exterior (SECEX) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC)

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v11i2.14901

Palavras-chave:

Organização de Cooperação de Shangai, política externa, China, Ásia Central, poder.

Resumo

No início do século XXI, Cazaquistão, China, Quirguistão, Rússia, Tajiquistão e Uzbequistão criaram a Organização de Cooperação de Shangai. A proeminência dessa organização internacional está no fato de ela representar a primeira iniciativa chinesa na construção de um organismo internacional de segurança. O presente artigo tem por objetivo estudar a Política Externa Chinesa para a Ásia Central sob a ótica da Organização de Cooperação de Shangai. Como problemática, busca-se responder de que maneira essa organização internacional possibilita ao Estado chinês atingir seus interesses na região centro-asiática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Freire Lucena, Universidade Federal de Goiás

Doutora em Relações Internacionais. Pesquisadora da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (FAPEG). Coordenadora da rede goiana de pesquisa em cooperação e comércio exterior. Linhas de pesquisa: regime e política comerciais; metodologias de avaliação de políticas públicas.

Helder Paulo Machado Silva, Secretaria de Comércio Exterior (SECEX) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC)

Analista Técnico-Administrativo da Secretaria de Comércio Exterior (SECEX) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Downloads

Publicado

31-12-2011

Como Citar

Lucena, A. F., & Silva, H. P. M. (2011). Cooperação e poder: a Organização de Cooperação de Shangai como expressão da política externa chinesa para a Ásia Central DOI 10.5216/o.v11i2.14901. OPSIS, 11(2), 75–96. https://doi.org/10.5216/o.v11i2.14901

Edição

Seção

Dossiê Cultura, imaginário e poder