ESPAÇAMENTO E DENSIDADE DE SEMEADURA PARA A CULTURA DO MILHO, EM PLANTIO TARDIO, NO ESTADO DO TOCANTINS

Flávio Sérgio Afférri, Edgar Pereira Martins, Joenes Mucci Peluzio, Rodrigo Ribeiro Fidelis, Valério Moreira Rodrigues

Resumo


Os níveis de produtividade do milho, atualmente atingidos no Estado do Tocantins, colocam-se abaixo do potencial da cultura, devido, entre outros fatores, à ausência de conhecimento sobre a melhor densidade e espaçamento de semeadura. O presente trabalho foi realizado com o objetivo de avaliar o efeito da distribuição de plantas sobre a produtividade de grão, em kg.ha-1. Foram utilizados dois genótipos de milho (AGN2012 e BRS2020), em duas densidades de semeadura (50.000 e 60.000 plantas.ha-1), nos espaçamentos de 50 cm, 65 cm e 80 cm, no município de Alvorada (TO), na safra agrícola 2004/2005. Através dos resultados obtidos, pôde-se observar que a cultivar AGN2012 foi mais produtiva que a cultivar BRS2020, ocorrendo diferença significativa, pelo teste F, a 5% de probabilidade, para a produtividade de grãos. As variáveis diâmetro de colmo e altura de plantas aumentaram, significativamente (p < 0,05), à medida que se diminuiu o espaçamento entre linhas. Os componentes altura, diâmetro e comprimento de espiga e peso de cem sementes não foram influenciados pelos espaçamentos e densidades em estudo.

PALAVRAS-CHAVE: Densidade; híbridos; caracteres agronômicos.


Palavras-chave


Densidade; híbridos; caracteres agronô- micos

Texto completo: PDF



Licença Creative Commons

Pesquisa Agropecuária Tropical está licenciado sob uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Unported.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.revistas.ufg.br/index.php/pat/about/submissions#onlineSubmissions.

Esta publicação é financiada pelo Programa de Apoio às Publicações Periódicas da UFG (PROAPUPEC)

Visitantes: contador de visitas
Logotipo do IBICT