Auditoria de prontuário: avaliação dos registros de aspiração traqueal em terapia intensiva

Juliana Faria Campos, Sônia Regina Oliveira Silva e Souza, Alessandra Dutkus Saurusaitis

Resumo


Estudo descritivo, exploratório com abordagem quantitativa, cujo objetivo foi avaliar o registro da aspiração traqueal em Terapia Intensiva realizado pela equipe multiprofissional utilizando-se dos referenciais da auditoria. Para avaliação dos registros foi utilizada análise documental. Foram analisados 21 prontuários.  Amostra composta por 37 registros da equipe intensivista. A pesquisa deu-se entre janeiro a maio de 2006, em uma instituição pública do Rio de Janeiro. Dados coletados utilizando-se instrumento do tipo check list. Os registros foram avaliados utilizando-se como parâmetro um barema. Observou-se que 89,6% da equipe de enfermagem e 100% da fisioterapia registram de modo incompleto o procedimento. Foi verificada a falta do registro em 10,4% dos prontuários analisados da equipe de enfermagem e em 100% da medicina. Conclui-se que o registro da aspiração traqueal encontra-se falho, sendo imprescindível que medidas de educação continuada e sensibilização dos profissionais sejam adotadas.

Palavras chave: Sucção; Unidades de Terapia Intensiva; Auditoria de enfermagem; Registros médicos.


Palavras-chave


Sucção; Unidades de Terapia Intensiva; Auditoria de enfermagem; Registros médicos.

Texto completo: PDF


Licença Creative Commons A Revista Eletrônica de Enfermagem foi licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Unported.

Logotipo do Ibict