Orientação de atividade física em Programa de Saúde da Família: uma proposta de ação

Gomes,$space}Marcius de Almeida
Centro de Desportos, Universidade Federal de Santa Catarina
março, 2007
Texto completo (portal externo)
 
Com formação em Educação Física pela Universidade Católica do Salvador (1998), especialista em Atividade Física e Saúde (UFBA, 2000) e mestrado em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Catarina (2007), desde 2001 atua como professor assistente da Universidade do Estado da Bahia (UNEB/Campus XII). Atualmente, coordena a Linha de Estudo Pesquisa de Extensão em Atividade Física (LEPEAF) desenvolvendo diversos projetos de extensão e de pesquisa destacando-se a elaboração e coordenação da Especialização em Atividade Física, Saúde e Sociedade, e os sete anos de intervenção na Estratégia Saúde da Família. Atua nas áreas da atividade física e saúde, em programas e iniciativas para promoção da saúde, Prescrição e Orientação de Exercícios Físicos e nos Programas Saúde da Família.
 

Resumo

Intervencoes com a atividade fisica (AF) tem sido amplamente recomendadas e utilizadas por diversos paises, na perspectiva da promocao da saude. O aprofundamento sobre as questoes metodologicas e pedagogicas, para a construcao e desenvolvimento de politicas publicas de atividade fisica, se faz necessario, de modo a reconhecer as diferencas nos diversos contextos da populacao e assegurar a autonomia na escolha de uma melhor qualidade de vida. Para tanto, o objetivo deste estudo foi desenvolver, implementar e avaliar um programa de orientacao de atividade fisica para a promocao da saude de adultos aparentemente saudaveis em Programa de Saude da Familia, em Florianopolis, (SC). O estudo foi caracterizado como desenvolvimental, com delineamento de pre e pos-teste, com grupo controle. Para o desenvolvimento do protocolo, utilizou-se o Modelo Transteoretico e a Teoria Educacional de Paulo Freire, sendo aplicado em tres fases distintas: (1) a fase descritiva exploratoria, em que se identificou o perfil da amostra quanto a informacoes pessoais, indicadores de saude e comorbidades, informacoes sobre o programa de saude da familia, barreiras para a pratica de atividade fisica, estagios de mudanca do comportamento para atividade fisica e classificacao socioeconomica; (2) a fase de intervencao com recomendacao e orientacao sobre atividade fisica, por meio de seis encontros domiciliares e quatro encontros na unidade local de saude, durante um periodo de 120 dias; e (3) a fase de avaliacao, identificando os resultados da intervencao, por meio do indice de atividade fisica habitual no trabalho, no lazer e no exercicio (Baecke), e os estagios de mudanca de comportamento para


A Revista Pensar a Prática é indexada por:
Directory of Open Access Journals
LATINDEX
LILACS
Open Access Scholarly Information System
Open Archives Harvester
Portal de Periódicos da CAPES
Sport Discus
Sport Information Resource Centre

Realização:

Logotipo do IBICT
Creative Commons License Bookmark and Share
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.revistas.ufg.br.

 



Visitantes: contador de visitas